Sobre o blog Expatriadas

Ser um mapa para os profissionais brasileiros e suas famílias transferidas dentro do Brasil ou para o exterior. Essa é a missão do Expatriadas.
Para atingir esse objetivo,  vasculho na rede e concentro aqui tudo o que for divulgado sobre mobilidade profissional. Seja um link, uma notícia, um livro, uma pesquisa, uma crônica ou um artigo, se diz respeito em como facilitar a  vida longe do ninho e como amenizar o impacto que ela provoca no funcionário transferido e sua família, pode ter certeza que estará estampado aqui no Expatriadas.
O blog também reúne entrevistas exclusivas com especialistas em temas valiosos para os transferidos, como planejamento de mudança, adaptação cultural e imposto sobre a renda obtida no exterior. E já coleciona ricos relatos de mulheres que deixaram a zona de conforto em nome do sucesso de alguém.
Por falar em mulher, por que Expatriadas se o blog conversa com todos?
Expatriadas porque somos nós - mulheres - que corremos para a internet para pesquisar sobre a nova cultura, que organizamos a mudança, que preparamos os filhos, que fazemos as contas e seguramos a onda. E quando a barra pesa, se é a cabeça da mulher que não está em ordem, o processo pode até naufragar. Além do mais, uma transferência profissional diz respeito à pessoas, vidas, famílias.
Mas por que o blog trata a mulher sempre como a acompanhante e não como a profissional expatriada?
Porque, ainda hoje, em todo o mundo, de cada dez profissionais transferidos para o exterior, oito são homens. Essa é a realidade: geralmente a mulher é quem acompanha. Então, por que não falar sobre o que essa mulher vai realmente enfrentar com essa mudança: estar em uma nova cultura, longe de amigos e parentes, sem o reforço da vida profissional...?
Não pense que toda essa ideia nasceu de repente. Foi sendo construída post a post.
Confesso que o blog surgiu de uma motivação pessoal - dar a minha visão sobre o impacto da transferência do meu marido na minha vida como mulher, como profissional e esposa.
Mas as pesquisas e reflexões para escrever sobre a minha história acabaram apontando para um ambiente de muita valorização do profissional, mas pouco cuidado com as pessoas transferidas.
A conversa com outras expatriadas e o testemunho de tantas outras histórias me mostraram como o impacto da expatriação na vida pessoal e familiar do profissional ainda é negligenciado pela empresa que envia, e como uma não adaptação pode detonar com a experiência, com a carreira, com o casamento, com os nervos de quem mudou de endereço a convite de uma empresa.
Enfim, voltei para o Brasil, mas continuei apaixonada por expatriação. Mais, me encantei pela mobilidade. Percebi que a riqueza da experiência, as alegrias, os dramas e angústias sempre estão presentes em uma transferência, mesmo que a família não deixe o Brasil. Por isso, de um blog pessoal busco fazer do Expatriadas uma bússola para quem está nessa extraordinária jornada pelo novo e pelo diferente.
Claro que continuo relatando minhas experiências pessoais, afinal, hoje estou aqui. Amanhã? Quem sabe?
Poderia falar sobre o blog por mil anos. Mas respeito sua ânsia por informações. Então fique à vontade para explorar o conteúdo.
Fico por aqui com minha saudação predileta: Olá, X! Para entender porquê te trato assim, clique aqui.
No mais, desejo que você escreva sua própria história em um processo de expatriação e seja feliz nesse processo!
Por isso, de jornalista que acompanha e escreve sobre o desfecho de muitas transferências de profissionais, decidi abraçar com todo amor a carreira de Coach. Minha missão hoje é ajudar a mulher que abre mão de muita coisa para apoiar o desenvolvimento da carreira do marido a ter um projeto pessoal na expatriação, apesar da mudança ter sido provocada pela carreira de outra pessoa.
Toda transferência profissional é um projeto em família. Se alguém avalia que está perdendo mais que ganhando nesse processo, a expatriação corre o risco de fracassar, trazendo um forte impacto negativo para a família, para o profissional e para a empresa.
Para saber mais como posso ajudá-la a ter uma experiência Leve e feliz em uma nova cultura, visite: http://www.leveorganizacao.com.br/
Se quiser conversar comigo: carmem@leveorganizacao.com.br

Bons voos e volte sempre!
Carmem Galbes 

2 comentários:

  1. Carmem amei seu blog, assim como você estou apaixonada por esse assunto. Entender o processo de outras pessoas, as diferentes experiências e as mesmas angustias e dificuldades me fez buscar conhecer mais sobre esse assunto. Um mundo meio obscuro, ainda visto somente por um lado "o do glamour", mas só quem vive conhece exatamente o nosso lado, o lado de quem acompanha. Parabéns pelo blog, parabéns pela idéia, gostaria de poder fazer parte desse seu projeto. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal, Simone!! Entendo totalmente quando você fala do glamour!! Também adoro o seu blog! Acho super delicado, mas fala o que precisa ser dito! Vou mandar um email para a gente conversar melhor! Obrigada pela presença!! Volte sempre! Abraço e dois beijinhos! Carmem.

      Excluir

Olá! É um prazer falar com você!