Coexpatriad@: quando é preciso um neologismo para explicar a importância do cônjuge expatriado.

Olá, Coexpat!
Expatriado ou imigrante?
Se for pelo dicionário, tanto faz! Está lá no Aurélio, as duas palavras dizem a mesma coisa: aquele que muda de país.
Mas no dicionário da vida a gente sabe que as palavras vêm carregadas de muitas outras coisas além do significado. 
Confesso que nunca vi uma empresa apresentar sua política para funcionários imigrantes e também nunca vi estampada uma manchete sobre expatriados ilegais...
Não, não vou entrar nesse debate, nas motivações em se usar expatriado ou imigrante.
O que quero tratar aqui é da pessoa que fica sem definição. 
Se é comum usar expatriado para o funcionário transferido e imigrante para a pessoa que chega sem a "etiqueta corporativa", em busca de um sonho/dinheiro/melhores condições-qualidade de vida, o cônjuge que acompanha o profissional transferido é o que? 
Em uma família de imigrantes, todos são imigrantes: não tem marido imigrante, esposa imigrante, filho imigrante.
Agora em uma família de expatriados, o funcionário (homem em 80% das expatriações profissionais) é simplesmente expatriado. Já a parceira ou o parceiro  é esposa expatriada ou marido expatriado.
Você pode falar: tá, e daí?
E daí que as palavras têm bagagem, lembra? 
E a esposa expatriada ou o marido expatriado não é apenas a pessoa casada com quem foi transferido. Não importa o que já fez na vida, como impactou o mundo...se é cônjuge expatriado, parece que automaticamente vira 'café com leite' e recebe o selo de espert@, folgad@, dondoca, que não faz nada, reclama de tudo e passa o dia à base do pacote de expatriação, entre um café e um espumante, sob o olhar crítico de quem nunca sentiu na pele o que é largar carreira, amigos, família e rede de apoio para ajudar a sedimentar a carreira de outra pessoa.
Cansada de ver quem eu considero @ líder do processo de transferência profissional  ser enxotad@ para a coxia, resolvi criar um termo para o cônjuge expatriado: coexpatriad@. 
O Aurélio resume direitinho o que pretendo ao adotar o prefixo co: dar o sentido de companhia, concomitância, simultaneidade. Com o 'co' não tem uma pessoa mais importante e uma que está ali só aproveitando a situação, não tem um ator principal e um coadjuvante, tem elenco: cada um com o seu papel para contar da melhor forma possível uma história.
E qual é o papel d@ coexpatriad@?
Fazer a ponte entre a família e a cultura, trazendo para dentro de casa os elementos que vão fazer a diferença no relacionamento d@ expatriad@ com os funcionários locais. 
Dar o suporte logístico à família, deixando a cidade mais aconchegante, a comida menos estranha, o povo anfitrião mais próximo, a saudade menos dolorida, o choque cultural e o choque de identidade menos traumáticos, deixando a casa com aura de lar. 
É tudo isso mesmo? 
Deveria ser! Só não é quando a própria mulher, o próprio homem e os envolvidos em uma transferência não conseguem identificar valor nessas atividades, não conseguem perceber como um coexpatriad@ pode salvar ou afundar uma expatriação, dependendo do seu preparo e da sua disposição em participar desse projeto.
Claro que o cônjuge tem que entrar nessa história com um projeto pessoal também. Isso é fundamental para a saúde de quem acompanha um profissional transferido. Que projeto é esse? Pode ser trabalhar (se o visto permitir - coisa que não é tão fácil), estudar, desenvolver novas habilidades, escalar o Everest, praticar algo que sempre quis e nunca pôde, ler toda a obra de um autor, cuidar do corpo, cuidar da alma, não importa, desde que faça sentido para a pessoa, que permita que ela também enriqueça a própria história de vida nessa experiência. 
Melhor mesmo seria não ter termo nenhum. Seria tratar @ coexpatriad@ com nome e sobrenome. Mas vamos por partes. Adotar coexpatriad@ em vez de cônjuge expatriado é só um começo para - talvez - ajudar a reduzir um estigma...
Precisa de ajuda para encontrar uma realização pessoal na sua expatriação? Fale comigo, eu sei como te ajudar! Estou sempre no contato@leveorganizacao.com.br

PS. Passei a adotar o caracter @ por uma economia na comunicação, facilitando o trato do gênero. O que faço mesmo é ajudar pessoas, seja ela, seja ele, sejam elas, sejam eles.

Mais informações: www.leveorganizacao.com.br   
Carmem Galbes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! É um prazer falar com você!