11 de janeiro de 2019

Expatriação e turning point, como tirar o melhor dessa virada.

Olá, Coexpat!
Pontos de virada na minha vida.
O primeiro foi aos 14 anos, quando senti uma coisa tão ruim que nem tinha nome. Elaborei essa fase usando a ferramenta disponível na época - fé em Deus. Foi uma única oração e o céu ficou de novo azul.
Outra virada foi aos 34, quando meu marido foi expatriado, de quebra, eu também! No EUA, demolição de conceitos! Isso me levou, por exemplo, a lidar com a maternidade de uma forma que eu jamais tinha imaginado e que eu amo!
Outro turning point foi aos 38, em mais uma transferência do maridão, agora para o Recife. Lá, em nome da saúde física e mental, fiz as pazes com os meus valores e abri caminho para a atual virada: alinhamento total com a espiritualidade.
Daí estão evoluindo mudanças incríveis, mas algumas bem difíceis, caso da vida financeira, por exemplo. Como investir em um fundo que eu não sei se meu dinheiro está ajudando a patrocinar uma guerra, um câncer  ou mais fome? Alô corretoras!!
Na vida profissional, o "Incluir. Agregar. Somar." veio forte. Já não posso mais lidar apenas com a "esposa expatriada", como fiz nos últimos 10 anos. O "marido que acompanha" também precisa de um olhar. Isso está exigindo uma reformulaçao total, e a toque de caixa, de toda comunicação e tecnica do meu trabalho. Mas isso é assunto para um outro post.
A experiência já me mostrou que as viradas são compulsórias, saudáveis e doem menos quando surfo com e não contra a onda. Interessante que,comigo, elas costumam vir em meio às mudanças de endereço...
Então, bora deixar virar. Bora deixar mudar!
E você, qual foi sua última virada, como você cresceu e o que aprendeu com ela?
Carmem Galbes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! É um prazer falar com você!