16 de novembro de 2018

Esposa expatriada, você não está sendo sustentada! Você está sendo patrocinada!


Em uma dessas conversas super legais que a vida dá de presente pra gente...
Trecho transcrito com a devida autorização:
"Eu odeio ser sustentada pelo meu marido! Isso me humilha, me enfraquece, além de me empobrecer..."
O desabafo é de uma mulher que deixou cargo gerencial em comunicação, salário superior a 15 mil Reais, além dos benefícios, para mudar com os 2 filhos e marido - alçado à alta direção da empresa  alemã, lá na sede.
Eu: Sente mais falta do trabalho ou da renda?
Ela: Na verdade... o que ele passou a ganhar cobre o meu salário com folga...não tenho saudade do trabalho em si, não. Eu estava muito estressada e minha atividade pegou um rumo que eu não queria muito...passou a exigir cada vez mais a minha presença no trabalho e a minha ausência em casa, com as crianças...Pedir demissão foi um alívio pra falar a verdade, ainda mais porque pedi demissão por causa de outra pessoa rsrsrs...Mas sinto falta de me sentir importante!
Eu: Você só conseguiria se sentir importante de novo trabalhando?
Ela: Não necessariamente, mas teria que perceber se estou fazendo a diferença e isso eu não sinto hoje...
Eu: De repente você precisa rever seus conceitos sobre o que é fazer a diferença...
Nossa conversa parou por aí...ela foi para a rotina com as crianças e eu voei para o computador.
Uma pulguinha não saía de trás da orelha, uma não, várias!
A mulher que deixa seus próprios planos em segundo plano para apoiar a carreira do marido em outra cidade, outro país tem a tendência em sentir que saiu perdendo, que virou coadjuvante, café com leite, socialmente invisível, quase como um peso morto, ainda mais se a cultura local não ajuda.
Mas será que é isso mesmo?
  • Será que, na verdade,  a expatriação não é só o pano de fundo, a desculpa do universo para que a gente faça o que tem que ser feito, que faça na vida o que a gente veio realmente fazer aqui ?
  • Será que, na verdade, o marido transferido não é mais uma peça dessa conspiração do universo para que a gente assuma a nossa missão? Achamos que mudamos por causa dele, mas será que o universo não colocou uma expatriação na carreira dele para nos atingir?
  • Dizemos que perdemos a renda, que agora o marido ganha os tubos e nós nada, mas será que, na verdade, o universo não turbinou o salário dele para fôssemos patrocinadas para fazer o que temos que fazer nessa vida?
  • Então não estamos sendo sustentadas, mas sendo patrocinadas?

Bom...se é patrocínio a história é outra! Temos que mostrar trabalho! Dar resultado! A vida está nos patrocinando para que algo seja feito, que algo aconteça!
Que algo é esse?
Já descobriu?
O que você sempre quis fazer e só agora você pode porque tem patrocínio?
E a pergunta mais importante, vou até falar alto:
COMO VOCÊ ESTÁ HONRANDO ESSE PATROCÍNIO?
Então, para que fique bem claro: Coexpat, você não está sendo sustentada, você está sendo patrocinada!
Durma com um barulho desse!
Carmem Galbes

4 comentários:

  1. Caraca maluco, como diriam nossos amigos cariocas rs o problema é quando você começa a fazer e não consegue. Tenta de novo e não rola. E chega a ficar perdida rs as vezes, me
    sinto como um barco à deriva. Estou com uma
    Nova ideia, mas vou recuperar fôlego (dá uma canseira reinventar a vida, não da não? Rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meooo, como diriam os nossos amigos paulistanos rs esse negócio de ter sucesso no que nos propomos a fazer não é fácil...empreender não é fácil, é a arte de fazer e fazer e fazer e continuar fazendo, daí a importância da gente acreditar no caminho que assume. Na boa, acho que todo dia tenho que começar de novo...é um caminho estranho, solitário, mas como acredito que tenho porque tenho que fazer isso que faço, é quase como um impulso do universo, eu sigo em frente! Então, vá em frente, se você acredita que é isso que vai deixar o seu mundo, o mundo todo, melhor, vá em frente! Ah, e se for esposa de profissional transferido, entra lá no grupo. Clica no banner, no lado direito aqui da página. Beijos!

      Excluir
  2. Bom dia Carmem,
    Já estou lá no grupo, sou a Pâmela Souza, que está no mexico. É que esse blog é antigo, da época da universidade...e lá se foram quase 11 anos rs O trabalho que você faz é muito bacana! Mais uma vez, parabéns!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh foi isso, eu conheço a Pâmela, mas não reconheci a Pâm...rsrs
      Obrigada pelo carinho e pelas palavras! Isso me dá ainda mais combustível para seguir em frente! E bora dar matéria para as suas ideias!! ;)

      Excluir

Olá! É um prazer falar com você!