3 de agosto de 2018

A expatriação, o cocô e a arte de ficar bem em qualquer lugar.

Olá, Coexpat!
Como se preparar para uma expatriação? 
Eu dei um google. 174.000 resultados. Resumindo: qualifique-se, viaje, estude inglês, aprenda o idioma do país para onde a família poderia ser transferida, matricule as crianças em escola internacional, faça cursos no exterior, seja adaptável, estude a cultura do país dos sonhos e mapeie as diferenças e por aí vai.
Isso é importante? Sem dúvida, mas não vai fazer a menor diferença se a pessoa não investir na conquista e manutenção da primeira característica de quem se propõe a "sair do ninho": a autonomia.
Eu poderia trazer a etimologia da palavra, apontar o significado no dicionário, distrinchá-la pelo olhar da filosofia, da psicologia ou da mecânica. Não vou te aborrecer com isso. Mas vou, sim, recorrer a linguagem dos youtubers  - que as crianças amam e os pais desdenham - para simplificar o discurso e, assim,  não deixar dúvidas sobre o que quero dizer.
Autonomia = a capacidade de limpar a própria bunda!
Ok, sei que você estranhou, até eu estranhei em "falar" assim, calma...essa frase chula é pra lá de didática!
Quando a criança aprende a limpar o bumbum, um mundo se abre. Um grande e importantíssimo passo é dado rumo à autonomia. O cocô deixa de ser um evento público. Agora é totalmente privado. A criança não precisa mais avisar que vai ao banheiro, não precisa mais gritar que já acabou. Já não tem mais seu produto inspecionado, comentado, criticado. Também não precisa mais prestar contas sobre já ter feito ou não o número dois naquele dia. Ela sente vontade, vai, faz, se limpa e dá descarga. Tudo porque ela aprendeu a lidar com a própria higiene! E assim  -  no mundo ideal - ela segue agindo a partir de suas necessidades e cuidando dela mesma: passa a comer sozinha, a arrumar a própria bagunça, a tomar banho sem ajuda, a fazer o próprio prato, a arrumar a própria cama, a limpar o próprio quarto...e vai crescendo...e aprende a cozinhar o que quer comer, a cuidar da própria roupa, a cuidar da própria saúde, a reconhecer os próprios objetivos, os próprios limites, aprende a buscar o próprio sustento...e vai crescendo...
Aí, quando surge uma oportunidade de mudança - não importa se através da carreira de outra pessoa - ela vai e se adapta!
Sabe por que? Porque ela sabe se limpar sozinha. 
Ela sabe que pode dar a maior merda do mundo, que ela vai saber lidar com isso. 
Se ainda não sabe falar o idioma, ela vai se virar com algum app de tradução. Se não conhece ninguém, ela vai se meter em um grupo de rede social até acessar a própria tribo. Se o local não tem transporte público, ela vai dirigir um carro, uma bike, vai a pé, de Uber...Se ela não tem empregada doméstica, ela vai pesquisar um jeito de simplificar a rotina e fazer a casa funcionar a favor dela, porque ela não passou a ser dona de casa com a expatriação do marido, ela sempre foi a dona da casa e domina todos os seus processos. Se não tem mais o próprio salário, ela não vai se sentir diminuida, porque a família esclareceu como vai lidar com as finanças, além disso, ela sabe quanto a família ganha, quanto gasta, o preço e o valor das coisas. Se deixou o modo de vida que ela amava, ela vai buscar outro tão apaixonante quanto. Se está com tempo de sobra, ela vai estudar, aprender algo, vai se reinventar. Porque ela é autônoma, ela é senhora dos próprios desejos, necessidades e valores, ela tem a capacidade de identificar o que fazer e energia para aprender como fazer. 
A gente sabe que as cagadas da vida são diferentes, né?
Nem sempre a gente sabe lidar com elas logo de cara, mas se a gente aprendeu o básico, vai tentando. Pode ser que, no começo, a coisa não fique assim tão limpinha, mas com o tempo, a gente pega o jeito e tudo volta ao normal.
Juro que não pensava avançar tanto na escatologia assim, mas, às vezes, sinto que só exemplos mais concretos, mais palpáveis, mais fedidos para provocar a ação.
Acha que é tarde demais para aprender a lidar com você mesma nessa expatriação? Nunca é tarde pra nada! 
Carmem Galbes

Imagem: Projetado pelo Freepik

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! É um prazer falar com você!