30 de agosto de 2017

Como vencer o medo de mudar?

Odeia mudança?
Culpa do cérebro. 
Essa engenhoca aí que você - e todo mundo - tem na cabeça corresponde a dois por cento da massa do seu corpo mas consome 25% da sua energia! 
O cérebro, que foi feito para funcionar perfeitamente, trabalha muito, inclusive para economizar a energia  que precisa.
Então ele otimiza.
A cada acontecimento, em vez de começar todo o processo do zero, ele aciona o banco de dados, cruza as informações e dispara a reação que você teve em situações parecidas com essa que você está vivendo. Se são acontecimentos rotineiros, ele dispara sempre a mesma reação. Quer um exemplo? Pensa aí nas várias coisas que você faz no seu dia e que nem se dá conta que fez. Sei lá: depois do café você escova os dentes, passa perfume, pega o celular e sai para um compromisso. Provavelmente você está escovando os dentes pensando numa conta que tem que pagar e espirrando o perfume enquanto calcula quanto tempo vai gastar até seu destino. É tudo no automático. Por isso que quando você se atrasa e deixa o perfume pra lá, a chance de esquecer o celular é grande. Porque para o cérebro a sequência é essa: dente-perfume-celular. Se pula o perfume, a sequência muda e a resposta/ação/comportamento também.
E quando a sequência é totalmente nova, quando a experiência é inédita? O cérebro é uma máquina, lembra? Ele quer a todo custa economizar energia para dar conta de fazer tudo o que precisa! Por isso sempre vai buscar, nem que seja lá no arco da velha, alguma referência para passar por aquilo. O problema é que pode ser que, com o passar da sua vida, o lé não bata mais com o cré. 
Supondo que sua família receba uma proposta super interessante para viver em outro país. Você nunca morou fora. Desde que se casou, vive no mesmo endereço. Mas lá atrás você teve, sim, uma experiência de mudança. Nem foi com você, foi com a sua melhor amiga. Aos 12 anos, ela mudou da cidade que adorava e dividiu com você como foi dolorido estabelecer laços no novo endereço. Para o cérebro, não interessa se o contexto é outro, se foi com sua amiga e não com você, se você hoje tem muitos mais recursos para lidar com a rejeição, para ele a informação que chega é: mudar é terrível, mudar é dolorido. Qual a reação? NÃO VOU MUDAR, bem alto para todo mundo ouvir! Já sei que vou sofrer!
Pronto...Apesar de você ser adulta, repleta de conteúdo e a experiência ter um grande potencial de ser gratificante, você já está com o não na ponta da língua!
Ok, como evitar, então, essa reação viciada? Aí não tem jeito, é preciso olhar para dentro, se conhecer e cultivar a coragem. Coragem para seguir em frente apesar de todas as suposições tenebrosas. Coragem para sair daquela tal da zona de conforto, encontrar dentro de nós ou buscar as ferramentas que ajudem a gente a lidar com tanta novidade. Coragem para agir e para não se vitimizar, apesar de tudo.
Você pode argumentar: "falar é fácil." Concordo, falar sobre isso é bem mais confortável do que viver essa situação. Mas enquanto escrevo aqui, percebo como estou incomodada com a possibilidade de voltar a viver em uma cidade que já morei. Aí descubro que estou me baseando em uma experiência de anos atrás. E lá atrás eu era diferente, muito diferente...eu sentia diferente, pensava diferente, agia diferente...ufa...eu só estou falando, pensando por escrito, e isso já me traz um alívio!
Taí um bom exercício: bote seu medo no papel. Dê forma a ele. Comece dividindo a folha ao meio. De um lado escreva o que pode ser legal nessa experiência, do outro escreva o que te incomoda, o que te apavora. Ler o seu pensamento, os seus medos, pode ajudar você a perceber que agora você já é adulta, já é grande e já é maior que um medo que te pegou, talvez, quando você ainda subia em árvore!
Carmem Galbes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! É um prazer falar com você!