8 de novembro de 2016

Como as mudanças de endereço mudaram minha vida!


Eu lembro como se fosse hoje. Estava em São Paulo, era uma quarta-feira - não sei o porquê, mas amo as quartas-feiras, estava meio cinza, meio frio e, ao meio-dia, no meio do caminho para a estação do metrô, pensei: "estou inteira feliz, não poderia estar mais feliz! Amo meu trabalho, meus estudos, meu relacionamento. Até meu pequeno ap eu amo com o maior amor do mundo!" 
Interessante que nesse dia eu já sabia que iria me mudar. Minha mudança para o Rio estava marcada para 7 de maio. Mas naquele momento, nenhuma certeza roubava aquele instante de equilíbrio que eu vivia! 
E chegou o dia que deixei esse mundo - e tudo o que ali finquei - rumo à terra do nada: nada de emprego, nada de amigos por perto, nada de rede de apoio, nada de aconchego do meu ap, nada de cantinhos preferidos pela cidade, nada de paz. Foi uma decisão em nome do amor e da fé. Amor ao meu marido - que começava uma nova carreira - e fé de que eu iria me sentir feliz por inteiro de novo! 
Do Rio para cá foram mais três mudanças para a terra do nada.
A do Rio para os Estados Unidos me deu uma nova perspectiva de vida. Me ensinou muito sobre humildade. Afinal, como lidar com uma identidade que muitas pessoas insistem em resumir como esposa de expatriado? 
Foi buscando respostas que comecei o Expatriadas, o blog que deu início à minha transição de carreira. Minha proposta com o blog era contar sobre mim, a rotina de uma pessoa que deixa muita coisa de lado para seguir ao lado de alguém. Mas, diante de tantas histórias e experiências de outras mulheres, o blog seguiu uma trilha que ia além dos meus sentimentos e impressões. Comecei a estudar esse universo da expatriação e das mulheres que acompanham seus maridos, e de tudo o que temos que lidar, e da importância do nosso bem-estar para que o processo seja um sucesso para a família expatriada e para a empresa que expatria.
A volta dos Estados Unidos e a nova vida no Rio revelaram uma outra faceta, a de mãe, melhor, a de mãe que teve chance e paz para fazer escolhas e exercer a maternidade da forma que achasse melhor. 
Lógico que penso como seria minha vida se não tivesse deixado São Paulo, se não tivesse deixado o jornalismo diário. Penso em como seria a maternidade nesse contexto. Com certeza, muita coisa seria diferente. 
O legal é que gosto de ser quem sou hoje e percebo que só consegui ser assim por causa dessas mudanças para a terra do nada.
A ida do Rio para Recife foi de resgate e de síntese. Resgate da minha espiritualidade. Recife é ótima para colocar a pessoa em contato com ela mesma. Síntese de tudo o que havia pensado e pesquisado sobre expatriação e de como poderia fazer a diferença nesse meio. 
A ficha caiu quando uma amiga muito querida relatou que - na última visita ao pediatra - foi constatado que a filhinha dela tinha parado de crescer. Investigando, pediatra e família chegaram ao diagnóstico: a criança não crescia porque não dormia bem. A pequena não conseguia ter um sono de qualidade poque o quartinho dela ainda não estava organizado, mesmo passados seis meses da mudança para o Recife. 
Isso me comoveu, porque o que parecia estética, vaidade, capricho acertava em cheio a vida da criança: um ser que tenta ao máximo vencer os desafios que lhe são propostos.
Essa criançada é fogo! Essa história mudou o rumo da minha carreira. 
Juntei tudo o que já tinha vivido em jornalismo, mergulhei em algumas teorias psicossociais, resgatei minha especialização em gestão de expatriados, me profissionalizei em organização de espaços, estudei sobre decoração e me certifiquei como Coach. 
Foquei nas famílias que se mudam muito e criei o meu método para deixar a casa portátil. 
A missão do meu trabalho passou a ser:  que a famílias mudem com apoio, que  se organizem, que as crianças voltem a dormir tranquilas, que a casa entre nos eixos, que a mulher se reencontre e de significado à mudança - mesmo sem ela ter sido o motivo dessa mudança - e que a vida volte a fluir o mais rápido possível!
Trabalho em três frentes: Coaching em Para Esposas Expatriadas, Consultoria em Organização de Lares de Famílias Trasnferidas e em Organização de Rotinas.
Não, não foi um processo rápido. Nem fácil: decidir que não voltaria a investir no jornalismo diário, como fazia antes, foi dolorido. A dor foi passando a medida que os feedbacks foram chegando. 
Poder colaborar para que uma transferência, especialmente as provocadas pela carreira, seja rica em vários aspectos da vida funciona como um sinal de que estou indo por um caminho bom e isso faz com que eu me sinta feliz por inteiro, mesmo estando de mudança, só que, dessa vez, não mais para a terra do nada!
Quer saber mais como posso te ajudar? Estou sempre no contato@leveorganizacao.com.br.
Mais informações: www.leveorganizacao.com.br
Carmem Galbes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! É um prazer falar com você!