16 de dezembro de 2009

Porque a esposa expatriada deve cuidar da sua rede de contatos com todo o carinho.

Olá, Coexpat!Networking. Confesso que já tive dificuldade para entender o sentido do termo.
Não é de hoje que a gente sabe que o velho e bom contato abre portas. Mas me lembro que ele ia se estabelecendo com o tempo, conforme a gente ia conhecendo as pessoas, mudando de emprego, conforme os colegas partiam para outras empresas, à medida que se mostrava trabalho! Assim a gente imprimia a nossa marca: ao longo dos anos, da carreira, aos poucos.
Mas, às vezes, sinto que a coisa ficou mais agressiva, mais apressada. Dá uma sensação de que sou a mais lerda do planeta. Já cheguei a questionar se a minha rede é tão extensa quanto eu imagino que deveria ser.
É que parece que todo mundo aproveita qualquer brecha para falar do próprio umbigo. E quando me dou conta, a minha brecha passou...
Quero saber: quem anda escutando? Mas isso não é importante!
Importante, dizem por aí, é alimentar a tal da rede de relacionamentos. Fundamental é ligar, mandar e-mail, whats, mensagem no Linkedin, sinal de fumaça, cartão de aniversário e o que mais a sua criatividade permitir.
Sei não...nesse mundo em que o relógio gira cada vez mais rápido, em que as caixas de e-mail estão sempre lotadas, como conversar com um colega sem ter um bom motivo?
Nessa correria toda, penso que acessar alguém para falar de mim deixa, no mínimo, esse alguém extremamente irritado.
Mas os gurus dizem que não é bem assim, que há o jeito certo de fazer networking.
No site administradores.com.br, o diretor Executivo da Novos Planos Serviços de Internet, João Carlos, ensina que “fazer contatos é mera questão de ser amigável, de ter capacidade de se entrosar e de estar disposto a dar algo de valor primeiro. Quando combinar esses três atributos, você terá descoberto o segredo que há por trás dos poderosos contatos que levam a valiosos relacionamentos. As pessoas ainda confundem Networking com pedir ou tentar arrumar emprego. E depois que arrumam emprego, somem do mapa... Esse é um erro fatal! É preciso que se entenda que Networking é mesmo uma via de mão dupla: um dia você aciona, num outro é acionado.”
Os especialistas em recrutamento acrescentam que essa atitude deve ser ainda mais presente no dia a dia do brasileiro que está no exterior. É que as pessoas andam com a memória curta...E você ainda some?!
A edição de dezembro de 2009 da revista Você SA traz uma matéria com histórias de profissionais que não deixaram bons contatos aqui e sofreram na hora de voltar, apesar do currículo pra lá de invejável.
Isso porque não basta ter diploma, experiência e conhecimento, é preciso participar! Do que? Ah...sei lá, pergunta para a rede...
Segundo a reportagem de Bruno Vieira Feijó, “a distância afeta as profissões de maneira diferente. Na área jurídica, o impacto é alto, já que cada país tem as suas leis. Marketing e vendas demandam conhecer clientes e consumidores. A área de finanças fica no meio do caminho. Engenharia é mais universal, todos falam a mesma língua.”
O fato é que não é porque você está longe que vai fazer pouco caso do que acontece no seu país, na sua profissão...
Mas, por mais que a intenção seja manter contato, quem não tem receio de passar a imagem de pedinte? Bom a dica para não passar essa imagem já foi dada. 
Você pode estar pensando: larguei tudo para investir na carreira do meu marido em outro lugar. Ok, mas e se, e quando vocês voltarem ao Brasil? E se você tivesse a oportunidade de aliar o seu talento, os seus conhecimentos com a sua rede e as oportunidades que você identifica aí onde você está vivendo? É de se pensar, não?
Carmem Galbes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! É um prazer falar com você!