26 de novembro de 2009

Leve Entrevista. Expatriação e alimentação.

Olá, Coexpat!
Você organiza tudo. Pesquisa os costumes no novo endereço, procura imóvel pela internet, faz as contas, prepara a mudança, fecha as 500 malas, separa os documentos e embarca nessa aventura.
Depois de um tempo você percebe que entrou para o time de Xs! Mas nem tudo é tão saboroso...Tem algo estranho na cozinha. Pode acontecer com você, com o parceiro ou parceira, com algum filho...A comida simplesmente não cai bem.
Por isso a conversa hoje com a nutricionista Pérola Ribaldo. A especialista em qualidade e segurança dos alimentos argumenta como é importante dedicar atenção especial às refeições pra lá da fronteira, mesmo antes de partir.
Para quem busca mais ingredientes sobre o tema: http://www.perolaribaldo.com.br/
Bom apetite!

Leve - O turbilhão das providências que antecedem uma expatriação desvia o foco de algo essencial, as refeições no novo endereço. É possível se preparar para reduzir os impactos de uma nova cultura alimentar?
PR - Procure pesquisar um tempinho antes quais as opções alimentares do seu novo endereço. É importante chegar sabendo o que é o que para não cair em "armadilhas". Busque na Internet, converse com amigos ou conhecidos que já moraram no país para onde você pretende mudar e tente vislumbrar os alimentos que se parecem com aqueles aos quais você está acostumado. Depois de algum tempo "adaptando" o que a região te oferece aos seus hábitos, aí sim é hora de experimentar. Em resumo, primeiro você deve buscar os alimentos mais próximos possíveis do seu hábito e só depois acrescentar a nova cultura à sua rotina... assim o choque é menor e os riscos também.

Leve - Produtos desconhecidos, temperos exóticos, preparo diferente. A culinária a que o expatriado passa a ter acesso pode ser um sonho ou um pesadelo. Os extremos podem resultar em excesso ou perda de peso, sem contar nas infecções. Como não adoecer?
PR - Nunca experimente aquilo que você não conhece. Colegas de trabalho e outras pessoas que estejam na mesma situação que você, de expatriado, podem te dar dicas e até ajudar com experiências positivas ou negativas que tiveram com a cultura alimentar local. Depois de saber o que você deve ou não comer, é hora de conhecer os novos alimentos, mas sempre em pequenas quantidades. Lembre sempre que cada corpo reage de forma diferente aos alimentos, portanto use sempre doses pequenas até estar seguro! Nunca chegue querendo conhecer tudo imediatamente, tenha calma e aos poucos vá se incorporando aos hábitos locais.

Leve - Especialistas da área de saúde insistem na atenção que os expatriados devem dar ao consumo da água, que pode estar contaminada. Quais os cuidados com a alimentação?
PR - Comida sempre deve ser feita com água fervida. Já os vegetais devem ser lavados com água filtrada e fervida ou deixados em imersão de água com água sanitária (1 colher de sopa de água sanitária para cada litro de água) por pelo menos 15 minutos. A água de beber deve ser filtrada e fervida.

Leve - Durante essa outra entrevista sobre cuidados com a saúde, a enfermeira Adélia Apareceida Pinto fala da importância do brasileiro preparar uma “farmacinha particular” antes de deixar o país. O mesmo valeria para a cozinha? Existe algum ingrediente ou produto que facilite a adaptação alimentar em outro país?
PR - É sempre interessante ter produtos que façam a esterilização dos vegetais (tipo Puriverde) para garantir a higienização adequada dos alimentos que comemos crus. No mais, vale a pena manter alguns temperos que você goste muito e que não são fáceis de encontrar, como louro desidratado e coentro em pó. Porém, dependendo do país para onde você irá se mudar, é possível encontrar uma gama enorme de condimentos...por isso vale sempre pesquisar antes!!

Leve - Preparar a própria comida pode ser uma boa dica para o expatriado que não consegue se adaptar ao cardápio estrangeiro. Ocorre que nem sempre é fácil encontrar ingredientes que estamos acostumados. Quais as dicas para resolver essa “congestão”?
PR - Para o cardápio ficar mais leve, vale uma regrinha: as refeições devem ser sempre compostas por um carboidrato (arroz, batata, mandioca, mandioquinha ou macarrão), folhas verdes (que podem ser refogadas), legumes (que podem ser cozidos mesmo após congelados), leguminosas (feijão, ervilha, lentilha, soja ou grão de bico) e uma opção de carne ou ovo. Procure fazer a receita da forma mais simples possível, usando óleo e sal, sem arriscar condimentos que você não conhece. Evite carne mal passada e molhos que você desconhece os ingredientes. Se puder use tudo o mais fresco possível ou busque alimentos coringa, como os congelados e enlatados. Depois de algum tempinho no país, com certeza você estará mais à vontade para "testar" receitinhas locais.

Leve - Com relação às crianças, qual a estratégia para apresentá-las à nova culinária sem que isso resulte em grandes traumas?
PR - Manter ao máximo a rotina da família, oferecendo receitas simples, sem muitos molhos e temperos. O cardápio acima é uma forma simples de se alimentar, que certamente não terá "erros".

Leve - Quanto às grávidas, comer “longe de casa” pode ser um desastre. Quais as orientações para quem precisa se alimentar, mas não consegue engolir as receitas do país em que vive?
PR - Procure fazer a própria comida. Não dá para buscar em outro país a comida que temos aqui, a menos que a façamos nós mesmas. Mantendo um preparo pouco elaborado fica mais simples (ex: macarrão com molho de tomate fresco ou tomate pelado batido no liquidificador, arroz e carne grelhada, batatas assadas e filé de frango, purê de batatas e lombo suíno...)

Leve - Sugere alguma fonte de pesquisa?
PR - Sites de receitas, como o Mais Você e o Tudo Gostoso, contam com receitas internacionais "adptadas" ao nosso paladar. Podem ser boas fontes de pesquisa para quem mora em outros países utilizar os ingredientes disponíveis, mas sem perder o "jeitinho brasileiro".

Leve - Gostaria de acrescentar algo?
PR - Gostaria de reforçar a idéia de, antes de arriscar, primeiro conhecer o país , conversar com nativos e especialmente com pessoas que estejam na mesma realidade que você. Assim o risco de "entrar numa fria" é bem menor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! É um prazer falar com você!