8 de setembro de 2009

X! Entrevista. Expatriação e guarda-roupa.

Olá, X!
A cama abarrotada de roupa. Você enrolada na toalha, plantada em frente às portas escancaradas do armário e com aquela pergunta atormentando enquanto o relógio não espera: com que roupa em vou?Se até Noel Rosa ficou em dúvida, imagine quem está bem longe de casa e dos costumes?
O bom é que sempre tem alguém para facilitar o caminho de quem precisa se ajustar a um guarda-roupa gringo.
A consultora de imagem
Alana Rodrigues Alves - uma das pioneiras no Brasil - é quem conversa com a gente. Ela ressalta a importância de se conciliar o gosto próprio aos costumes locais e traz um roteiro pra lá de útil para expatriadas e expatriados viverem com elegância essa fase da vida.
Aproveite as dicas!

X - Roupa, cabelo, unha, maquiagem...Respeitar a cultura que nos recebe é fundamental, ainda assim é possível a adequação aos padrões locais sem agredir o próprio conceito do que é belo?
A história da vestimenta surgiu com a necessidade de proteção do corpo contra agentes externos, como o frio - por exemplo. Mas já faz tempo que percebemos como uma pessoa pode se diferenciar da outra por meio da roupa. Hoje a imagem que refletimos é de extrema importância e de rápida absorção por todos os meios - pessoal, social ou profissional.
Muitos locais possuem códigos de vestimentas diferentes da nossa cultura, por isso é importante que se pesquise sobre o destino para diminuir as chances de gafes e constrangimentos.
Interessante que os problemas podem ocorrer dentro de um mesmo país. Acompanhe essa história: uma brasileira integrada aos costumes de uma metrópole americana vivia seu dia-dia com roupas de grifes, saltos, maquiagem marcante e cabelo sempre escovado.Um dia se deparou com a transferência do marido para uma cidade do interior, onde tudo era calmo, pacato e com quase nenhuma opção de consumo. Ela continuou usando o que estava acostumada, até sair de casa e perceber que as pessoas olhavam de forma diferente para ela. Na escola de seus filhos ninguém nem a cumprimentava, nos lugares que frequentava - como mercados, farmácia, shoppings - se sentia um peixe fora d'água.
O problema é que, naquele lugar, ela transmitia ostentação excessiva e um ar de superioridade. Essa imagem afastava as pessoas que se sentiam ofendidas e incomodadas com a presença dela.
Percebendo isso, ela passou a usar roupas mais simples - mas sempre de excelente caimento e qualidade de tecido - uma maquiagem mais suave e reservou a escova só para os finais de semana. Restringiu o uso de jóias e acessórios muito pesados e trocou saltos altos pelos mais baixos e sapatilhas. Isso a deixou mais suave, com uma aparência mais receptiva. Ao mesmo tempo ela não perdeu sua personalidade e estilo. Ela teve sabedoria para unir o que sempre considerou belo ao que era aceitável em sua nova comunidade. Então é importante - sim - manter sua identidade em qualquer lugar do mundo, mas é preciso adequar seus gostos à vestimenta local.

X - A mudança de endereço provocada pela expatriação pode ser um bom motivo para reavaliar o guarda-roupa. Sabemos que essa seleção depende de preferências pessoais, mas quais peças deveriam definitivamente ficar no Brasil - pois só são usadas aqui - e quais deveriam embarcar nessa nova fase da vida?
Eu desconheço peças que SÓ podem ser usadas aqui. O que pode acontecer é que, dependendo do país de destino - por exemplo a Turquia, você com certeza não irá usar uma mini-saia ou decotes profundos. Por isso, se informar sobre os costumes no novo endereço é o melhor caminho, isso ajudará você a conhecer os códigos da região, facilitando a adaptação do seu estilo ao guarda-roupa local.
Vale a dica: é sempre bom dar especial atenção a tudo que mostre muito corpo - das roupas curtas e muito justas, aos decotes profundos e até as rasteirinhas.
Peças muito características de um local devem ficar nesse local. Explico: se você mora no Rio de Janeiro e está de mudança para Paris, não leve cangas, shorts muito curtos, tops, rasteirinhas e regatas simples, pois lá - por mais que seja verão - a mulher é menos casual.
Caso esteja indo para um local muito frio, valem as botas, casacos, mantôs e tricots mais pesados.

X - O que não pode faltar no guarda-roupa de uma expatriada?
O que não deve faltar é sempre um bom jeans - para quem gosta, calças de alfaiataria, camisas brancas, camisetas em bom tecido - aqui não falo das largas, de algodão, da Hering e sim daquelas que deixam o look mais arrumado. Um blazer casual é sempre útil. Um vestido discreto e em excelente tecido - o famoso pretinho básico - é indispensável. Tricots em fio modal são simples e fazem ótimas produções. Sapatos que goste e se sinta confortável, claro que chinelo é só para praia.

X - É possível ter um guarda-roupa global, que “sirva” em qualquer cultura?
Acredito que as peças discretas são globais. Menos é mais, isso vale em qualquer lugar do planeta.

X - Que tal dicas de um look global para certas ocasiões que os expatriados enfrentam?
Jantar de negócios
Feminino
: um vestido em cor neutra - preto, marinho, cinza, bege, marrom - em excelente tecido, com comprimento no joelho e decote discreto - o canoa é perfeito. Pode ou não ter mangas, dependendo do clima. Sapato fechado com salto médio - no máximo 5 cm e formal, nada de plataformas ou salto de madeira. Bolsa carteira, jóia ou acessórios discretos - brinco, anel ou colar - e caso esteja um pouco frio, um casaquinho de tricot de seda finaliza bem a produção. Dependendo do país, o uso da calça é obrigatório.
Aqui o que deve chamar a atenção são os negócios e não o seu corpo ou um acessório em especial.

Masculino: Sempre mais fácil. Terno em excelente qualidade com comprimentos de mangas, calça e paletó corretos e em cor preto, marinho ou cinza escuro - nada de ternos em cores claras. Uma bela camisa e gravata que combine com a camisa e o terno escolhido. Um bom relógio e sapatos im-pe-cá-veis. Barba sempre feita.

Encontro com colegas e suas famílias
Feminino
: uma calça em jeans ou sarja em bom estado e que esteja vestindo bem. Uma blusa que esteja de acordo com o clima, mas nada de peças justas, muito decotadas, cavadas, que apareça a alça do sutiã. Sapatilha ou um sapato mais confortável, nem pensar em tênis e roupa de ginástica. Se estiver mais quente, pode-se usar um vestido discreto em modelagem, mas com estampas e cores mais vivas - comprimento no joelho, e uma sandália confortável.
Se estiver frio, um bom trench com uma bela echarpe ou pashimina e bota.
Aqui o que conta é o estado da sua roupa e se está se vestida adequadamente ao corpo que tem. Se esses dois pontos estiverem ok, estará bem. Isso vale para os homens também.

Masculino: uma calça jeans ou casual com uma pólo e sapatênis fazem bem o papel. O que não dá são bermudões floridos, chinelos, camiseta estampada, camisas em poliéster, sapatos ou tênis muito gastos.
A regra para homens e mulheres que querem transmitir uma boa aparência é: roupas em boas condições, que vistam bem - isso não quer dizer que se estiver em forma pode usar roupas justas e curtas. Os sapatos devem estar sempre limpos e bonitos.

X - No caminho inverso, que dicas daria para a expatriada que está voltando para o Brasil? O que não deixar de trazer?
Tudo para um clima de verão, afinal tudo aqui é mais usável. Quanto ao guarda-roupa, não temos muitos pudores. As peças muito invernais - como casacos e blusas de lã, peles, luvas, boinas, um monte de botas, roupas térmicas e de esqui - ficarão guardadas no armário por um bom tempo. Aqui o inverno é muito sutil e rápido.

X - Faz alguma indicação de leitura ou pesquisa?
Os livros da Gloria Kalil: Chic Homem e Chic Mulher, Chic(érrimo) e Alô Chics.

X - Gostaria de acrescentar algo?
A arte de se vestir bem e de causar uma boa impressão está baseado no auto-conhecimento. Como isso não é fácil e, muitas vezes, nosso senso crítico não vem acompanhado de técnicas, o auxílio de um consultor de imagem pode ajudar muito no
processo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! É um prazer falar com você!