6 de fevereiro de 2009

Leve Entrevista: Expatriação e Casamento.

Olá, Coexpat!
Já trocamos aqui algumas impressões sobre como ficam as relações pessoais com a expatriação, especialmente o casamento. O assunto é delicado e pode arrasar vidas pessoais e profissionais. Esse é um dos pontos dessa entrevista.
Faz dez anos que a professora da Fundação Getúlio Vargas, Maria Ester de Freitas, vem estudando o assunto. Com o olhar de quem também viveu fora, período em que concluiu seu pós-doutorado, a professora já estudou o impacto da expatriação tanto em famílias brasileiras no exterior, quanto de estrangeiros que vivem no Brasil.
Com 6 livros na bagagem e vários artigos publicados, Maria Ester nos ajuda na reflexão sobre esse tema, nem sempre tratado com devida atenção e carinho durante a expatriação. Também por isso, a vida longe de casa pode ser “uma experiência que pode trazer o céu ou o inferno”, alerta a pesquisadora.
Aproveite!

Leve: A expatriação pode mudar, e em que sentido, a relação familiar e conjugal?
M.Ester: Uma expatriação é um acordo feito entre um profissional e sua empresa, fundada na necessidade de cumprir uma missão em outra unidade da organização, não raro em outro país. Ora, a experiência de turista nos mostra como é bom e gostoso rodar o mundo e descobrir coisas novas, mas quando o programa fica chato a gente simplesmente se manda para outra coisa que nos dê prazer; então viajar é para turista. A vida do expatriado difere da do turista em vários sentidos, pois ele não pode se desligar quando as coisas não lhe agradam, ele tem que conviver no código do outro e dar respostas rapidamente que sejam aceitáveis, ele tem que conviver com parâmetros e interpretações diferentes, precisa ser aceito pelo grupo etc. Existe um nível enorme de ajustes necessários na vida profissional que são mais ou menos catalogadas no ambiente da empresa. Na vida da família, a coisa se passa de maneira mais difusa, as regras não são tão claras, os apoios são escassos, a paciência alheia é menor que a dos colegas de trabalho e geralmente é a mulher quem segura toda a carga. Na maioria das vezes a mulher (caso mais comum) abre mão de seu projeto profissional e não tem direito ao visto de trabalho, ficando somente com o universo da casa. Não é incomum que ela não fale o idioma do país de destino, pois as empresas são negligentes em relação a isto e acabam favorecendo curso apenas para o profissional. Sem falar o idioma, sem ter amigos, sem entender nada da cidade, sem ter maiores apoios para as decisões que ela estava acostumada a tomar quase automaticamente (escola dos filhos, supermercado, marcas de produtos, serviços diversos, empresas...), a mulher fica extremamente sobrecarregada e forçada a dar respostas imediatas, pois tão logo chega ao local ela deve organizar a vida e a rotina da família. Não raro os maridos enfiam a cara no trabalho, pois são cobrados desde o inicio, ou se acham na obrigação de ser mais realista que o rei, de forma que o nativo não fique se perguntando “por que precisaram trazer aquele cara do Brasil se a gente tinha pessoal aqui?”, ou seja, o cara precisa se legitimar e aí se esquece da família, da mulher e do resto... Acho que isto muda a relação mesmo do casal que é bem ajustado, que se ama e que quer que tudo dê certo, imagine dos que têm algum problema mal resolvido. Em relação aos filhos, eles absorvem toda a carga de insegurança da mãe e se forem adolescentes que viajaram deixando namoradas para trás, é o inferno que desponta no horizonte.

Leve: A expatriação pode acabar com um casamento?
M.Ester: Pode. Se o projeto de expatriação é de uma pessoa e não do casal, a outra parte ficará se sentindo lesada e toda a carga de sacrifícios será potencializada. É muito duro alguém ser culpado o tempo todo por algo. Por outro lado, expatriação é para quem tem disponibilidade para viver outra vida e não para quem gosta de viajar, isso significa que vai ter que conviver com coisas estranhas, vai ter que passar dias sem conversar com outras pessoas, vai perceber a sua fragilidade frente ao desconhecido e qualquer pequeno detalhe idiota pode lhe desestabilizar emocionalmente. Nas minhas pesquisas vi alguns casamentos que foram por água a baixo e vi alguns que foram salvos pelo gongo, vi casais ficarem quase um ano sem transar porque a mulher estava ressentida, vi esposas querendo ir embora com os filhos, fiquei sabendo de esposas que se mandaram e o marido foi atrás e demitido em seguida... tem um pouco de tudo. Vi casal aguentar o tranco enquanto estava lá e quando voltou para casa o peso era tamanho que eles não se suportavam mais, passou do ponto.

Leve: E o casamento pode atrapalhar a ponto de interromper uma expatriação?
M.Ester: Qualquer situação que leva um parceiro a dizer para o outro “ou eu ou a empresa” fica muito difícil de ser sustentada. Veja acima.
Por outro lado, as minhas pesquisas mostram que embora os casados demorem mais a se adaptar na nova cultura, quando isto ocorre é um processo mais seguro e aí tudo vai bem. Os solteiros, ainda que sejam mais baratos para as empresas no curto prazo, são mais arriscados no longo prazo, pois ficam muito sozinhos e infelicidade crônica dá zebra e eles chutam o pau da barraca. Então, projetos acima de 1 ano não são muito recomendados para solteiros, cuja adaptação acaba sendo alimentada apenas pela fonte do trabalho e as interações na sociedade podem ser mais complicadas. Em alguns lugares solteiros ainda despertam sérias suspeitas.

Leve: Pesquisas indicam que as empresas que transferem seus funcionários para o exterior estão investindo cada vez mais na adaptação das famílias. O suporte vai do financiamento do aprendizado do idioma ao apoio nas primeiras visitas ao supermercado. As empresas realmente consideram o grau de influência da família na transferência do funcionário?
M.Ester: Acho de bom tamanho que as empresas comecem a se dar conta de que elas não expatriam apenas 1 profissional mas uma família inteira, ela desarranja os relacionamentos e influencia a forma de vida dessas pessoas. É estranho que algo tão óbvio tenha sido tão negligenciado por tanto tempo, mas à medida que os fracassos começaram a ficar caros, as empresas perceberam que não estavam fazendo tudo o que podiam para que o seu expatriado fosse um sucesso e quem garante o sucesso dele é uma família ajustada. Quanto mais rapidamente os membros da família estiverem cuidando de sua própria vida, com agenda própria e independente, mais rapidamente este expatriado estará livre para dar o melhor de si. É simples assim. Existem algumas empresas que ainda acham que isto não é problema delas, mas isso faz parte da burrice organizacional que acontece em qualquer lugar. Não creio que seja demais que uma empresa que quer que eu vá trabalhar em outro local faça o investimento necessário para que isto ocorra sem maiores riscos, faz parte do acordo, pois eu só posso trabalhar direito se eu tiver condições. Cada vez mais o apoio psicológico é um requisito importante in loco, daí também nesta área muitos psicólogos estão se diferenciando por falar vários idiomas.

Leve: Apesar do relacionamento estar na esfera pessoal, em que sentido as empresas de transição cultural poderiam ajudar a vida do casal a ser bem-sucedida longe de casa?
M.Ester: O relacionamento do casal é pessoal, mas a variável que alterou tudo foi um evento profissional, portanto as empresas têm obrigações não apenas morais, mas objetivas e contratuais. Existem muitas empresas de consultoria que hoje se ocupam dessas questões preparatórias e vendem pacotes de 10, 20, 80 horas para ajudar uma família a ser organizar noutro lugar. É um mercado que vem crescendo muito, pois geralmente as empresas que expatriam fazem uso de terceirizados para isto. Além dessas questões de natureza prática da vida quotidiana, as empresas poderiam aproveitar melhor estas experiências e construir uma base de dados com feedback, mas geralmente o cara volta e ninguém quer saber dele, a experiência dele é invalidada e não gera nenhuma aprendizagem organizacional. Ora, cada vez mais hoje somos instados a trabalhar com pessoas de outras formações, origens étnicas e culturas, portanto devemos desde cedo aprender a ser tanto bons anfitriões quanto bons hóspedes, pois se você não vai o estrangeiro vem; penso que as empresas ainda são um pouco cegas para a importância da questão intercultural como parte de seus valores, mas isto tende a mudar.

Leve: Gostaria de acrescentar algo?
M.Ester: Uma das coisas mais interessantes revelada na minha pesquisa com brasileiros na França foi o fato de eles considerarem a educação dos filhos uma das principais razões para aceitar a expatriação e olhe que Paris é um espetáculo; então me parece que o intercultural é uma questão que veio para ficar e tende a ser irreversível. De um lado, creio que isto nos melhora como seres humanos, nos faz enxergar e respeitar o outro diferente de nós, nos conscientiza de nossas verdades relativas e do quanto somos frágeis quando estamos fora da nossa casca cultural; de outro, cada vez mais tende a se acentuar fanatismos, patriotismos burros, preconceitos e medos do outro. Quero crer que a nova geração será mais desencanada em relação a estes preconceitos se ela aprender a conviver com a diferença desde cedo, isto não é uma descoberta extraordinária, mas um fato da vida, uma evidencia quotidiana de que a vida é feita mais de coisas diferentes que iguais e isso não significa melhor ou pior, apenas diferente.

Carmem Galbes

2 comentários:

Olá! É um prazer falar com você!