8 de janeiro de 2009

Um brinde à expatriação!

Olá, Coexpat!
Tem coisa muito interessante na vida mesmo. Uma delas é como, com o tempo, a gente se acostuma com as coisas ou se encaixa nos costumes.
Pode parecer bobo ou simples demais, mas quando finquei bandeira na terra do tio Sam tinha uma coisa que me incomodava muito em restaurante: o fato de ter que pedir a bebida sem ter a chance de olhar o cardápio.
Isso mesmo. Geralmente acontece assim: você chega, a (o) hostess te acompanha até à mesa já com os talheres em mãos. Você senta e aí vem o garçom: “olá, meu nome é fulano e vou “estar atendendo” (aqui essa construção gramatical é correta) vocês hoje. E de cara já solta: “o que vão beber?”
Eu não sei! Acabei de chegar! Tenho que ver! Essa era a resposta que sempre calava. No começo esse negócio de ter que pedir a bebida de supetão me irritava um pouco. É que gosto de ver o cardápio, ver o que tem, apesar de sempre pedir a mesma coisa: água sem gás ou vinho tinto.
Uma opção seria dizer ao garçom que ainda não tinha decidido. A resposta comum era: “ok, vou trazer água assim você vai pensando.” Um minuto depois lá vinha o ser: “já decidiu a bebida?”
Adotei táticas. Pensava na bebida já no caminho. Assim, a resposta saia quase antes da pergunta. Também comecei a considerar a opção de só ficar na água, já que tem garçom que traz a água sem você pedir.
Outra estratégia para evitar estresse é não pedir sugestão para quem serve. Gente, parece um narrador de corrida de cavalo. Além de você não entender nada, ainda fica na dúvida se seu bicho realmente ganhou. E de pensar que basta olhar o cardápio...
O engraçado é que dia desses percebi que havia me acostumado tanto com esse esquema, que fiquei impaciente com a demora do garçom em perguntar o que eu iria beber.
Mas o que interessa mesmo é o brinde. Seja com água ou sei lá o que. Em cristal ou de plástico. O fato é que adoro brindar, coisa de filme, sabe...
Então, um brinde à expatriação, essa coisa que vira a gente do avesso, que carrega a semente de transformar a gente em gente melhor!

Carmem Galbes
Imagem: SXC

4 comentários:

  1. É... Coisas estadunidenses... O fato é que o cardápio de bebidas destes lugares não são muito atraentes, então a gente não foge muito do trio que voce falou, quizá um chopp...

    ResponderExcluir
  2. Bom eu conheco muito bem esse esquema.Fui garconete em Londres durante um bom tempo.
    Mas me diz, ai tbm eh costume tomar agua de torneira?

    Ingrid
    http://brasilcomz.wordpress.com

    ResponderExcluir
  3. Mais um ponto positivo para os abstêmios como eu: só tomo Coca Zero!

    ResponderExcluir
  4. Oi Selma,
    O bom é que eu me acostumei e não sou lá muito entendida de variedades etílicas...
    Bjs.

    Oi Ingrid,
    Água torneral sempre!
    Bjs.

    Oi Tati,
    Eu não consigo me acostumar com Coca Zero, sou do tipo que não abre mão da normal...

    ResponderExcluir

Olá! É um prazer falar com você!