23 de janeiro de 2009

Expatriação e berço.

Olá, Coexpat!
Já falei desse autor por aqui. Mas como acho os estudos dele muito interessantes, vou trazer Dan Ariely de novo para a nossa conversa.
Em uma pesquisa feita nas mais tradicionais e bem conceituadas universidades dos Estados Unidos - Harvard, Princeton, Yale, UCLA e MIT - ele e equipe comprovaram o que a gente reluta em acreditar, mas acontece: quando tem chance, o ser humano costuma trapacear, isso em qualquer lugar do mundo e da esfera social - dada a miscigenação presente nos grupos da pesquisa.
O estudo envolveu basicamente situações em que os alunos tinham mais ou menos chances de colar nas provas. Resultado: quanto mais chance, mais cola - não importando muito o risco de ser pego.
Mas o que surpreendeu mesmo os pesquisadores foi o que aconteceu quando pediam aos alunos que, antes de começar o exame, anotassem na folha um dos dez mandamentos da lei de Deus ou um dos tópicos do código de ética da escola ou da profissão que se preparavam para exercer.
Segundo o estudo, dos alunos que entraram em contato com algum parâmetro ético antes da prova, nenhum colou, mesmo no grupo que teve a maior oportunidade de fazer isso.
O autor sugere, então, que o momento é de resgate de códigos de condutas, religiosas ou não - diz ele. “Quando estamos distantes de quaisquer modelos de pensamento ético, costumamos nos desviar para a desonestidade, mas, se nos lembrarem da moralidade no momento da tentação, então é bem mais provável que sejamos honestos”, defende Ariely em Previsivelmente Irracional, lá na página 173.
Dan Ariely mostra um grande coração, porque ao indicar tal receita para redução de tanta sacanagem no mundo, ele demonstra uma crença absurda de que o ser humano é, por essência, bom e que só precisa ser lembrado disso às vezes.
Mas o que tem a ver tudo isso com essa minha jornada?
Talvez o fato de perceber que realmente já não importa tanto o endereço, que a globalização deixa uniforme o bom e o ruim, que, no fundo, gente é gente, e que boas maneiras e honestidade vêm mesmo do berço, como dizia minha avó e continuam dizendo meus pais.


Carmem Galbes

Imagem: SXC

4 comentários:

  1. olá! quemme mandou o blog foi minha irmã,que estava fuçando na rede coisas sobre Houston (acabei de mem mudar para cá - faz uma semana apenas). Vc ainda mora aqui ou está em outro lugar? bj marina

    ResponderExcluir
  2. Oi!
    Momento confissão: eu colo nas palavras cruzadas. Mas não me sinto mal com isso.
    E, acredite se quiser, só colei na escola uma única vez, numa prova de química. E assim, me safei de uma nota ruim.
    Bjo!

    ResponderExcluir
  3. Bem vinda à Houston, Marina.
    Estou por aqui e devo ficar por mais um tempo ainda.
    Você está gostando da cidade?
    Bj.

    ResponderExcluir
  4. Oi Lile,
    Também acho que quem não cola não sai da escola - nossa essa entrega a idade total!
    Bjs.

    ResponderExcluir

Olá! É um prazer falar com você!