1 de outubro de 2008

Chora não.

Olá, Coexpat!
Sempre achei que o choro é uma coisa grave.
O choro chama a minha atenção, me assusta. Às vezes me constrange.
Para mim uma cena com choro é sempre urgente e é sempre muito dramática, talvez porque o choro, no meu caso, não seja abundante.
Não que não tenha vontade de chorar, lógico que tenho, mas quando ele vem é porque muita coisa se rompeu, é como um dique que segura até quando dá...
Pensando bem, não foram lágrimas e soluços que me fizeram parar para pensar, mas o motivo.
Foi uma cena forte e delicada ao mesmo tempo. Uma colega de turma caiu em prantos quando a gente batia um papo descontraído sobre a dificuldade em transmitir idéias e sentimentos em uma língua estranha.
A tarefa dela não tem sido fácil. Divide as 24 horas do dia entre casa, marido, filhas, trabalho como pesquisadora, estudante de mestrado, além de dedicar um grande período ao aperfeiçoamento do inglês.
Mas não é esse cansaço que a entristece. Nas palavras dela: "é o sentimento de parecer idiota que fere a alma."
A gente já conversou outras vezes aqui sobre a importância do próprio idioma, a caixa de ferramentas para lidar com o mundo. Também é parte do nosso RG.
Claro que essa expatriada vai ter que tratar essa ferida linguística, só não sei se vai ser fácil...
Não, não quero ser antipática. É que fiquei pensando que encontrar a palavra certa para passar exatamente o que pensamos e sentimos é uma tarefa árdua mesmo na nossa língua materna!
Freud já dizia isso...
A questão, então, é como encaramos tudo isso. Às vezes pode ser interessante ter uma espécie de licença para parecer idiota, eu disse parecer...
O que eu acho é que nessa história entra tanta coisa, desde a impaciência do ouvinte nativo até nossa arrogância em supor que vamos tirar de letra qualquer desafio.
O fato é que raramente temos cuidado com a palavra. Só acordamos quando ela nos falta, quando nos trai. Aí, ou a gente cai no choro ou permite mais gargalhadas...


Carmem Galbes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! É um prazer falar com você!