30 de setembro de 2008

Sobre sacolinhas, mochilas e super malas.

Olá, Coexpat! 
Tenho pensado muito em mala, talvez pelo meu eterno vai e vem...
O fato é que fazer mala virou uma atividade que exige tanta especialização que dá até medo. Eu sei, sou organizadora profissional, acabo com bagunça que até eu duvido, mas confesso - constrangida - que eu tenho medo de mala, principalmente das pequenas.
Sabe que eu procuro melhorar sempre...mas até hoje não sei se é melhor enrolar ou dobrar as roupas. Se é melhor espalhar os sapatos ou colocar nos cantos, se é melhor colocar as calças por baixo, ir recheando a mala e só depois pôr as pernas das calças por cima, também ainda não encontrei a melhor forma de levar as calcinhas.
Conheci uma menina que dizia que só levava as piores calcinhas nas viagens. A receita: ela ia usando e deixando pelo caminho. Já ouvi dizer que tem calcinha dela na Coreia do Norte. Como foi parar lá? Nem me atrevo!
Outro dia comprei uma mala de mão. Descobri que só a mala pesa quatro quilos. Sobraram 6 quilos para minhas coisas, caso ela vá comigo a bordo no avião. Eita mala mala.
O pior é que mala é como carro ou computador. Mal você compra a top de linha e já tem outra ultra mega mais fácil de levar...

É de dar inveja daquele povo que viaja o mundo com uma malinha empurrada pelo dedo indicador...
Eu desisti, assumo de peito aberto que, para mim, mala é um "ser" estranho de lidar.
Tanto que eu trabalhei em um lugar que tinha um concurso: o mala do ano. A premiação era sempre no dia da festa de confraternização da 'firrrma'. O mala, eleito pelos colegas, recebia faixa e tinha que dar volta olímpica pela empresa. Cena ridícula.
Ridículo foi um chefe que recortou um anuncio da Louis Vuitton e colou na testa: “eu sou mala, mas sou chique”, disse o eleito.

Confesso que tinha mala que era só uma sacolinha. Tinha aquele que era, na verdade, uma mochila, daquelas que parecem uma mala, mas não são, aliás, te ajudam...
Mas mala é uma coisa necessária não é mesmmm?
Então quando tenho que me relacionar com ela eu respiro fundo, me abasteço de paciência e encaro peça por peça, controlo o peso e faço o doloroso exercício da escolha: salto marrom ou mais claro? Camisa branca ou off white?
Tem situação mais desagradável? 

Claro que tem! Gente mala! Que fala e não tem rodinha, a não ser que esteja de patins...
ops...decisão mais recente da minha vida: cri-cri mode off. Afinal, somos o que somos, com ou sem mala por perto...
Então bora exercitar a leveza e a simplicidade ao arrumar a bagagem e bora agradecer à nossa malinha companheira de viagem, que carrega nossas coisas, nossos presentes, nossa saudade...  
Ah...eu juro que busquei links sobre o "melhor jeito de arrumar mala". Mas existe tanta informação na rede, que preferi deixar essa navegação pra você!
Vai viajar? Desejo um feliz relacionamento entre você e sua bagagem!!

Carmem Galbes

2 comentários:

  1. Vc já tentou aquelas valises tipo porta-ternos? São práticas e elegantes. Uso sempre em minhas viagens e meus companheiros de viagem só são elogios..
    abs
    comendador siqueira
    OMM 01314

    ResponderExcluir
  2. Sabe que já tentei.
    Mas não são muito práticas para roupas femininas...
    Talvez a mala seja eu, rs.
    Abs.

    ResponderExcluir

Olá! É um prazer falar com você!