1 de agosto de 2008

Em que Lua você está?

Olá, Coexpat!
Meu propósito hoje era trazer um conteúdo mais formal, com alguns numerinhos – coisa de jornalista. O fato é que não encontrei nada que traduzisse numericamente o cotidiano dos profissionais e suas famílias no exterior.
O que me chamou a atenção foi uma tese que citava um livro de 1986 - Culture Shock: Psychological reactions to Unfamiliar Environments, London: Methuen. Um alívio...até que enfim uma visão mais humana do processo.
Na obra, os autores Adrian Furnham e Stephen Bochner dizem que @ expatriad@ passa por quatro fases:
O começo é de euforia, lembra muito aquelas férias em um lugar novo.
Mas...no fim de três semanas - mais ou menos - vem a segunda fase , a do choque, quando o desencanto começa a marcar o dia a dia.
Os autores garantem que isso normalmente passa.
Bom, então se o esquema deles funcionar mesmo, eu sei que vou entrar na fase três quando passar a adotar - sem crise - as regras e os valores do novo país e tiver confiança para me aventurar na rede social.
E como quando a gente conversa a gente se entende, eis a fase quatro, a de relacionamento intercultural e de estabilidade emocional.
Perceba que da fase dois em diante nossos amigos não detalham o tempo de duração. Portanto, cada caso deve ser um caso, como tudo na vida!
Mas se na teoria a tese é fácil, os escritores lembram que o a integração pode ser tamanha, que corremos o risco de abandonar a própria cultura - aí complica na volta.
E você, em que fase está?
Carmem Galbes

Um comentário:

  1. Estou exatamente nessa ultima fase citada: a minha adaptacao foi tanta que està complicando a minha volta !!

    È tudo muito irracional porque me lembro que fazia o mesmo no Mexico assim que chagamos: tudo no Brasil era lindo e funcionava e tudo no Mexico era horrìvel de "marrè deci".

    Atualmente, tudo no Mexico è lindo e funciona ( achar que tudo funciona no Mexico è algo totalmente fora da realidade, mas è isso que sinto - que loucura!!) e tudo Brasil è horrivel de dar dò.

    Bom saber desses autores, um alìvio è saber que vai passar. O desespero è nao saber quando.

    Bjs.,
    sister.
    PS.: Nos momentos de desespero lembre-se do nosso ortodontista Melchìades. Quando a gente reclamava do aparelho ele respondia:"logo logo vc se acostuma, pq o ser humano se acostuma com tudo nessa vida!!"

    ResponderExcluir

Olá! É um prazer falar com você!